Arquivo da tag: poema

O Dia Em Que Os Discos Voadores Chegaram – Neil Gaiman #umpoemapordia

Naquele dia, os discos voadores aterrissaram. Centenas deles, dourados, Em silêncio, descendo dos céus como se fossem grandes flocos de neve, E, os Terráqueos, estavam parados e observavam, enquanto eles desciam, Na espera, com bocas secas, aguardando para descobrir o … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Motivo – Cecilia Meirelles #umpoemapordia

Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta. Irmão das coisas fugidias, não sinto gozo nem tormento. Atravesso noites e dias no vento. Se desmorono ou se edifico, … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Verbo Ser – Carlos Drummond de Andrade #umpoemapordia

Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome? Tenho os três. E sou? Tenho de mudar quando crescer? Usar outro nome, corpo e jeito? Ou a gente só … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Ouvir Estrelas – Olavo Bilac #umpoemapordia

Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto E abro as janelas, pálido de espanto … E conversamos toda a noite, enquanto A via láctea, como um pálio … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , | 2 Comentários

Augúrios da Inocência – William Blake #umpoemapordia

(Para ver um mundo em um grão de areia E um paraíso numa flor do campo, Segure o infinito na palma de sua mão E a eternidade em uma hora.) (A íntegra, em inglês, do poema de William Blake. Infelizmente … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | 5 Comentários

Três poemas e uma entrevista do aniversariante Julio Cortázar

LA MOSCA Te tendré que matar de nuevo. Te maté tantas veces, en Casablanca, en Lima, en Cristianía, en Montparnasse, en una estancia del partido de Lobos, en el burdel, en la cocina, sobre un peine, en la oficina, en … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Do Desejo – Hilda Hilst #umpoemapordia

I Porque há desejo em mim, é tudo cintilância. Antes, o cotidiano era um pensar alturas Buscando Aquele Outro decantado Surdo à minha humana ladradura. Visgo e suor, pois nunca se faziam. Hoje, de carne e osso, laborioso, lascivo Tomas-me … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário