Os Homens Ocos – T.S. Eliot (1925)

Marlon Brando em Apocalypse Now!, filme de Francis Ford Coppola.

I

Nós somos os homens ocos
Os homens empalhados
Uns nos outros amparados
O elmo cheio de nada. Ai de nós!
Nossas vozes dessecadas,
Quando juntos sussurramos,
São quietas e inexpressas
Como o vento na relva seca
Ou pés de ratos sobre cacos
Em nossa adega evaporada

Fôrma sem forma, sombra sem cor
Força paralisada, gesto sem vigor;

Aqueles que atravessaram
De olhos retos, para o outro reino da morte
Nos recordam – se o fazem – não como violentas
Almas danadas, mas apenas
Como os homens ocos
Os homens empalhados.

II

Os olhos que temo encontrar em sonhos
No reino de sonho da morte
Estes não aparecem:
Lá, os olhos são como a lâmina
Do sol nos ossos de uma coluna
Lá, uma árvore brande os ramos
E as vozes estão no frêmito
Do vento que está cantando
Mais distantes e solenes
Que uma estrela agonizante.

Que eu demais não me aproxime
Do reino de sonho da morte
Que eu possa trajar ainda
Esses tácitos disfarces
Pele de rato, plumas de corvo, estacas cruzadas
E comportar-me num campo
Como o vento se comporta
Nem mais um passo

– Não este encontro derradeiro
No reino crepuscular

III

Esta é a terra morta
Esta é a terra do cacto
Aqui as imagens de pedra
Estão eretas, aqui elas recebem
A súplica da mão de um morto
Sob o lampejo de uma estrela agonizante.

E nisto consiste
O outro reino da morte:
Despertando sozinhos
À hora em que estamos
Trêmulos de ternura
Os lábios que beijariam
Rezam a pedras quebradas.

IV

Os olhos não estão aqui
Aqui os olhos não brilham
Neste vale de estrelas tíbias
Neste vale desvalido
Esta mandíbula em ruínas de nossos reinos perdidos

Neste último sítio de encontros
Juntos tateamos
Todos esquivos à fala
Reunidos na praia do túrgido rio

Sem nada ver, a não ser
Que os olhos reapareçam
Como a estrela perpétua
Rosa multifoliada
Do reino em sombras da morte
A única esperança
De homens vazios.

V

Aqui rondamos a figueira-brava
Figueira-brava figueira-brava
Aqui rondamos a figueira-brava
Às cinco em ponto da madrugada

Entre a ideia
E a realidade
Entre o movimento
E a ação
Tomba a Sombra
Porque Teu é o Reino

Entre a concepção
E a criação
Entre a emoção
E a reação
Tomba a Sombra
A vida é muito longa

Entre o desejo
E o espasmo
Entre a potência
E a existência
Entre a essência
E a descendência
Tomba a Sombra
Porque Teu é o Reino

Porque Teu é
A vida é
Porque Teu é o

Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Não com uma explosão, mas com um gemido.

Publicado em filmes, poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Fevereiro – Matilde Campilho (2014)

Escute só, isto é muito sério.

Anda, escuta que isso é sério!

O mundo está tremendamente esquisito. Há dez anos atrás o Leon me disse que existe uma rachadura em tudo e que é assim que a luz entra, não sei se entendi. Você percebe alguma coisa da mistura entre falhas e iluminação?

Aliás, me diga, você percebe alguma coisa de carpintaria? Você sabe por que meteram um boi naquele estábulo ao invés de um pequeno rinoceronte? Deve ter tido alguma coisa a ver com a geografia. Ou com os felizmente insolussionáveis mistérios que só podem vir do misticismo asiático. Um boi é um bicho tão… inexplicável. Ainda bem.

O amor é um animal tão mutante, com tantas divisões possíveis. Lembra daqueles termômetros que usávamos na boca quando éramos pequenininhos? Lembra da queda deles no chão?

Então, acho que o amor quando aparece é em tudo semelhante à forma física do mercúrio no mundo. Quando o vidro do termômetro se quebra, o elemento químico se espalha e então ele fica se dividindo pelos salões de todas as festas. Mercúrio se multiplicando. Acho que deve ser isso uma das cinco mil explicações possíveis para o amor.

Ah é! Eu gosto de você. A luz entrou torta por nós a dentro, mas, olha, eu gosto de você! A luz do verão passado quebrou o vidro da melancolia e agora ela fica se expandindo pelas ruas todas. Desde aquele outro lado do Sol até esse tremendo agora.

Hoje ainda faz bastante frio. As cinzas ainda não aterraram sobre as cabeças disfarçadas, tem gente batucando suor e cerveja pelas ruas de nossa cidade sul. Na cidade norte, há ondas de sete metros tentando acertar no terceiro olho dos rapazinhos disfarçados de cowboys.

O mestre ainda não veio decretar o começo da abstenção e, olha, a luz ainda está conosco. Sim, o mundo está absurdamente esquisito. Já ninguém confia nas imposições dos prefeitos, a esta hora na terra é um tanto carnaval, um tanto conspiração, um tanto medo. Metade fé, metade folia, metade desespero. E, provavelmente, a esta hora, uma metade do mundo está vencendo e a outra metade dormindo, há ainda outra metade limpando as armas, outra limpando o pó das flores. Mas, por causa do que me ensinou o místico, eu acredito que exista, agora, alguém profundamente acordado. Alguém que esteja vivendo entre o intervalo tênue entre o sonho e a agilidade. Suponho que ele saiba perfeitamente que este começo de século será nosso batismo do voô para nossa persistência no amor.João molhou a testa de Manuel. Os gritos das ruas molham as testas de nossos corações.

De que lado você está, eu não me importo! De que garfo você come, de que copo você bebe, que posto certo você escolhe, qual é seu orixá, seu partido, sua altura, de qual de suas cicatrizes cuida, que pássaro você prefere, quem é seu pai, qual é seu samba, Pinot noir ou Chardonay, que protetor você usa, qual é sua pele, seu perfume, qual político, quantos amores você sonha, em que Fernando, em que Ofélia, em que cinema, em que bandeira, em que cabelo você mora, qual dos túneis de Copacabana. Rezo para seus santos quando atravessar.

É… é impossível viver no país de Deus. Isso eu te dou de barato. Mas, atravessar o gramado de Deus em bicicleta, isso não é impossível, não.

Escuta, isso é sério!

Andamos crescendo juntos, distraidamente. As árvores crescem conosco.

Nossa pele se estende, nosso entendimento, teso, também. O século cresce conosco. O amor pelas ventas da cara do mundo, também.

Quanto a um pra um entre nós dois, isso logo se vê. Não sei nada sobre a paixão, suspeito que você também não. Mas, começo a entender que o compasso da fé está mudando a passos largos. Dois pra lá e dois pra cá.

Portanto, escute.

Isto é muito serio!

Isto é uma proposta aos trinta anos.

Agora que o mercúrio assumiu sua posição certa, vem comigo achar o meu trono mágico entre a folhagem. E, no caminho até lá, vem dançar comigo, vem!

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Vão-se os anéis, fica Saturno

Casamento em ponto morto, almoçam sem troca de olhares. Breves tilintares dão cores ao longo silêncio, que interrompe-se com a pergunta fortuita:

“Saturno é o que tem anéis, né?”

#AmoremTemposdePandemia

Publicado em comportamento | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Cabra marcado por matar

No livro O Compadre de Ogum, que faz parte da obra Os Pastores da Noite, de Jorge Amado, um dos personagem explica a certa altura que quando se mata alguém, acrescenta-se o peso do morto às costas do assassino. E ele vai carregar esse peso pro resto da vida.

Um dia depois de atingirmos 10 mil mortos, o jornal O Globo fez uma bela homenagem, colocando o nome de cada uma das vítimas na capa da edição do dia 11, em parceria com o projeto Inumeráveis.

Uma semana depois, já temos mais de 15 mil mortes no país – todas pesando às costas do pior presidente que o Brasil já teve. E muitas mais virão com a pandemia de coronavírus completamente fora de controle no país, graças à indigência política, intelectual, humana desse ser ignóbil que ocupa a Presidência da República.

Cada morte provocada pela pandemia de coronavírus no Brasil ficará indelevelmente marcada na figura de Bolsonaro. Mas ele é tão tosco, tão sem noção, tão vil, tão limitado, que é capaz de nem reparar no imenso peso que carregará para o resto de sua vida…

Publicado em politica | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Acordai – José Gomes Ferreira

Acordai
acordai
homens que dormis
a embalar a dor
dos silêncios vis
vinde no clamor
das almas viris
arrancar a flor
que dorme na raíz

Acordai
acordai
raios e tufões
que dormis no ar
e nas multidões
vinde incendiar
de astros e canções
as pedras do mar
o mundo e os corações

Acordai
acendei
de almas e de sóis
este mar sem cais
nem luz de faróis
e acordai depois
das lutas finais
os nossos heróis
que dormem nos covais
Acordai!

Publicado em poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

Voodoo Chile – All Them Witches

O algoritmo do Youtube tá mandando muito bem!

Agora me indicou esse som do All Them Witches, que é uma recriação de um clássico do Hendrix.

A música faz parte da coletânea Electric Ladyland Redux (2015), com versões e recriações das faixas desse que foi o terceiro e último álbum de estúdio do Jimi Hendrix.

Também participam dessa coletânea bandas como Earthless, Superchief e Mos Generator. Bom pacas!

Publicado em musica | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Um discurso histórico na premiação do Oscar 2020

Joaquin Phoenix e Rooney Mara
Joaquin Phoenix e Rooney Mara após cerimônia do Oscar 2020. Foto: Greg Williams

“Penso que é assim que chegamos ao nosso melhor: quando apoiamos uns aos outros. Não quando cancelamos uns aos outros por nossos erros passados, mas quando ajudamos uns aos outros a crescer. Quando educamos uns aos outros, quando guiamos uns aos outros para a redenção.”

Joaquin Phoenix, 2020 (leia aqui a íntegra do discurso, em inglês)

Foto: Joaquin Phoenix e Rooney Mara comendo hamburguer vegano após a premiação no Oscar 2020, por Greg Williams.

Publicado em filmes, fotografia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

O Que É – Erich Fried

É um absurdo
diz a razão
É o que é
diz o amor
É azar
diz o cálculo
É só dor
diz o medo
É desespero
diz a inteligência
É o que é
diz o amor
É ridículo
diz o orgulho
É imprudente
diz a cautela
É impossível
diz a experiência
É o que é
diz o amor
(Tradução: Vanderley Mendonça)
Erich Fried, poeta austríacoErich Fried (1921-2988) foi um poeta, tradutor e ensaísta austríaco, descendente de judeus. É considerado um dos principais representantes da poesia política da Alemanha e grande tradutor de Shakespeare para o alemão, por conseguir transmitir os jogos de linguagem do dramaturgo inglês. Traduziu também obras de T. S. EliotDylan ThomasGraham GreeneSylvia Plath e John Synge. Seu único romance é O Soldado e uma Menina, de 1960, e seu mais famoso livro de poemas é Es ist was es ist (1983).
Publicado em poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Impressões do Teatro – Wislawa Szymborska #umpoemapordia

Para mim, o mais importante na tragédia é o sexto ato:
o ressuscitar dos mortos das cenas de batalha,
o ajeitar das perucas e dos trajes,

a faca arrancada do peito,
a corda tirada do pescoço,
o perfilar-se entre os vivos
de frente para o público.

As reverências individuais e coletivas:
a mão pálida sobre o peito ferido,
as mesuras da suicida
o acenar da cabeça cortada.

As reverências em pares:
a fúria dá o braço à brandura,
a vítima lança um olhar doce ao carrasco,
o rebelde caminha sem rancor ao lado do tirano.

O pisar na eternidade com a ponta da botina dourada.
A moral varrida com a aba do chapéu.
A incorrigível disposição de amanhã começar de novo.

A entrada em fileira dos que morreram muito antes,
nos atos três e quatro, ou nos entreatos.
A volta milagrosa dos que sumiram sem vestígios.

Pensar que, pacientes, esperavam nos bastidores
sem tirar os trajes,
sem remover a maquiagem,
me comove mais que as tiradas da tragédia.

Mas o mais sublime é o baixar da cortina
e o que ainda se avista pela fresta:
aqui uma mão se estende para pegar as flores,
acolá outra apanha a espada caída.
Por fim uma terceira mão, invisível,
cumpre o seu dever:
me aperta a garganta.

Publicado em poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Inferno dos vivos – Italo Calvino

– O inferno dos vivos não é algo que será; se existe, é aquele que já está aqui, o inferno no qual vivemos todos os dias, que formamos estando juntos. Existem duas maneiras de não sofrer. A primeira é fácil para a maioria das pessoas: aceitar o inferno e tornar-se parte deste até o ponto de deixar de percebê-lo. A segunda é arriscada e exige atenção e aprendizagem contínuas: tentar saber reconhecer quem e o que, no meio do inferno, não é inferno, e preservá-lo, e abrir espaço.

Publicado em livros | Marcado com , , , , | Deixe um comentário