Arquivo da tag: poesia

Não se mate – Carlos Drummond de Andrade #umpoemapordia

Carlos, sossegue, o amor é isso que você está vendo: hoje beija, amanhã não beija, depois de amanhã é domingo e segunda-feira ninguém sabe o que será. Inútil você resistir ou mesmo suicidar-se. Não se mate, oh não se mate, … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

A Segunda Ida – Philip Levine #umpoemapordia

Novamente o dia começa, mas ninguém quer sua sanidade ou sua claridade ofuscante. A luz do dia não é o que viemos até aqui buscar. Uma pitada de sal, um pingo de aguardente em nossa xícara de lágrimas, um bilhete … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Poema – Frank O’Hara (1950) #umpoemapordia

Se eu soubesse exatamente porque a castanheira parece estar a ponto de flamejar ou morrer, suas pirâmides tremulam, eu te contaria? Talvez não. Nós devemos manter o interesse por selos estrangeiros, horários de trem, placares de baseball, e psicologia anormal, … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

A Poesia é uma Arma Carregada de Futuro – Gabriel Celaya #umpoemapordia

Quando já nada se espera particularmente exaltante, mas palpitamos e seguimos aquém da consciência, feramente existindo, cegamente afirmando como um pulso que golpeia as trevas; quando miramos de frente os vertiginosos olhos claros da morte; dizemos as verdades: as bárbaras, … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | 1 Comentário

Julga-me a gente toda por perdido – Luís de Camões #umpoemapordia

Julga-me a gente toda por perdido, Vendo-me tão entregue a meu cuidado, Andar sempre dos homens apartado E dos tratos humanos esquecido. Mas eu, que tenho o mundo conhecido, E quase que sobre ele ando dobrado, Tenho por baixo, rústico, … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Nem Sequer Sou Poeira – Jorge Luis Borges #umpoemapordia

Não quero ser quem sou. A avara sorte Quis-me oferecer o século dezassete, O pó e a rotina de Castela, As coisas repetidas, a manhã Que, prometendo o hoje, dá a véspera, A palestra do padre ou do barbeiro, A … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Sísifo – Miguel Torga #umpoemapordia

Recomeça…. Se puderes Sem angústia E sem pressa. E os passos que deres, Nesse caminho duro Do futuro Dá-os em liberdade. Enquanto não alcances Não descanses. De nenhum fruto queiras só metade. E, nunca saciado, Vai colhendo ilusões sucessivas no … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário