Arquivo da tag: Hilda Hilst

E quanto tudo mais fracassar, leia Hilda #umpoemapordia

Lobos? São muitos. Mas tu podes ainda A palavra na língua Aquietá-los. Mortos? O mundo. Mas podes acordá-lo Sortilégio de vida Na palavra escrita. Lúcidos? São poucos. Mas se farão milhares Se à lucidez dos poucos Te juntares. Raros? Teus … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé – Ná Ozetti #umpoemapordia

De Ariana Para Dionísio Três luas, Dionísio, não te vejo. Três luas percorro a Casa, a minha, E entre o pátio e a figueira Converso e passeio com meus cães E fingindo altivez digo à minha estrela Essa que é … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Do Desejo – Hilda Hilst #umpoemapordia

I Porque há desejo em mim, é tudo cintilância. Antes, o cotidiano era um pensar alturas Buscando Aquele Outro decantado Surdo à minha humana ladradura. Visgo e suor, pois nunca se faziam. Hoje, de carne e osso, laborioso, lascivo Tomas-me … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Poemas aos Homens do nosso Tempo – Hilda Hilst

Lobos? São muitos. Mas tu podes ainda A palavra na língua Aquietá-los. Mortos? O mundo. Mas podes acordá-lo Sortilégio de vida Na palavra escrita. Lúcidos? São poucos. Mas se farão milhares Se à lucidez dos poucos Te juntares. Raros? Teus … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Alcoólicas – Hilda Hilst #umpoemapordia

(Alcoólicas – I)É crua a vida. Alça de tripa e metal.Nela despenco: pedra mórula ferida.É crua e dura a vida. Como um naco de víbora. Como-a no livor da língua Tinta, lavo-te os antebraços, Vida, lavo-me No estreito-pouco Do meu … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Hilda Hilst x Marlon Brando

Trecho da matéria sobre Hilda Hilst na edição desta semana da IstoÉ: (…) namorou Dean Martin só para conhecer Brando. E como o namorado demorava para apresentá-los, bebeu bastante, subornou o porteiro do hotel e bateu na porta do quarto … Continuar lendo

Publicado em livros, poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Alcoólicas – Hilda Hilst

(Alcoólicas – I) É crua a vida. Alça de tripa e metal. Nela despenco: pedra mórula ferida. É crua e dura a vida. Como um naco de víbora. Como-a no livor da língua Tinta, lavo-te os antebraços, Vida, lavo-me No … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário