Arquivo da categoria: poesia

Impressões do Teatro – Wislawa Szymborska #umpoemapordia

Para mim, o mais importante na tragédia é o sexto ato: o ressuscitar dos mortos das cenas de batalha, o ajeitar das perucas e dos trajes, a faca arrancada do peito, a corda tirada do pescoço, o perfilar-se entre os … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Minhas 7 Quedas – Paulo Leminski #umpoemapordia

minha primeira queda não abriu o pára-quedas daí passei feito uma pedra pra minha segunda queda da segunda à terceira queda foi um pulo que é uma seda nisso uma quinta queda pega a quarta e arremeda na sexta continuei … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

A Flor – Robert Creeley #umpoemapordia

Creio que cultivo tensões como flores num bosque onde ninguém vai. Cada ferida é perfeita, fecha-se em si mesma num minúsculo botão imperceptível, fazendo dor. A dor é uma flor como aquela como este, como aquele, como esta. I think … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Sete Poemas do Pássaro – Orides Fontela #umpoemapordia

I O pássaro é definitivo por isso não o procuremos: ele nos elegerá. II Se for esta a hora do pássaro abre-te e saberás o instante eterno. III Nunca será mais a mesma nossa atmosfera pois sustentamos o vôo que … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

O Quarto Branco – Charles Simic #umpoemapordia

O óbvio é difícil de provar. Muitos preferem o oculto. Eu também preferia. Eu escutava as árvores. Elas guardavam um segredo que estavam prestes a me revelar — e não o fizeram. Veio o verão. Cada árvore de minha rua … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

O mundo estava no rosto da amada – Rainer Maria Rilke #umpoemapordia

O mundo estava no rosto da amada – e logo converteu-se em nada, em mundo fora do alcance, mundo-além. Por que não o bebi quando o encontrei no rosto amado, um mundo à mão, ali, aroma em minha boca, eu … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Mas depois da revolução…

Manifesto (2015) – Jules Rosefeldt

Publicado em civilização, poesia | Marcado com | Deixe um comentário