Arquivo da categoria: Zen passado

Zen Passado – versão editada

Uma amiga me deu o toque de um concurso literário da FNAC e sugeriu que eu enviasse o Zen Passado. Não pensei duas vezes. Ao ler o regulamento vi que para o conto ser aceito, deveria ter entre 10 e … Continuar lendo

Publicado em Zen passado | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

As músicas de Zen Passado

Pois é, a novelinha tem trilha e tudo! Ao longo do texto tem 11 músicas, mas ouvi outras conforme ia escrevendo, então resolvi incluir na lista. Espero que curtam a playlist.

Publicado em musica, Zen passado | Marcado com , , | Deixe um comentário

Zen Passado – parte 11: A Decisão

A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa, Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo. Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali… Chegamos de muito longe, de alma aberta … Continuar lendo

Publicado em Zen passado | Marcado com | Deixe um comentário

Zen Passado – parte 10: A Amizade

(Foto: O Escriba) Não contava com essa chuvinha de fim de tarde. São Paulo sempre me pega de surpresa. Não deveria, já que estou careca de saber que aqui fazem as quatro estações do ano num mesmo dia. Minha caminhada … Continuar lendo

Publicado em Zen passado | Marcado com , | Deixe um comentário

Zen Passado – parte 9: A Procura

Constatar o absurdo da vida não pode ser um fim, mas apenas um começo… (Albert Camus) Na vida, tudo pode acontecer – inclusive nada. Não estou desmotivado pras entrevistas de emprego que tenho hoje, longe disso, mas se for pra … Continuar lendo

Publicado em Zen passado | Marcado com | Deixe um comentário

Zen Passado – parte 8: A Separação

(Foto: Lucien Clergue) O desejo é a essência da realidade (Jacques Lacan) Mila flutua pela sala. Seu perfume domina o ambiente. Ela não para de falar, exigir minha atenção, opinião até. Mas estou distraído demais e acompanho seu ritmo quase … Continuar lendo

Publicado em Zen passado | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Zen Passado – parte 7: O Sonho

Relatar algo estranho é como contar seus próprios sonhos: você pode comunicar os fatos de um sonho, mas não seu conteúdo emocional, o modo como um sonho pode dar cor a todo o seu dia. (Neil Gaiman) (A condição humana … Continuar lendo

Publicado em Zen passado | Marcado com , , , | Deixe um comentário