Arquivo da tag: Waly Salomão

Disposição poética – Waly Salomão #umpoemapordia

Anúncios

Imagem | Publicado em por | Marcado com , , | Deixe um comentário

Hashtag no Twitter incentiva usuários a escreverem à mão

Hoje é o Dia Nacional de Escrita à Mão na Inglaterra e vários perfis ingleses no Twitter criaram a hashtag #nationalhandwritingday pra incentivar o pessoal a mandar trechos de poemas ou livros, escritos à mão. Mandei de um dos meus … Continuar lendo

Publicado em livros, poesia | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Olho de Lince – Waly Salomão #umpoemapordia

quem fala que sou esquisito hermético é porque não dou sopa estou sempre elétrico nada que se aproxima nada me é estranho fulano sicrano beltrano seja pedra seja planta seja bicho seja humano quando quero saber o que ocorre à … Continuar lendo

Publicado em musica, poesia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Movimento dos barcos – Jards Macalé (com Maria Bethânia de brinde)

Tô cansado E você também Vou sair sem abrir a porta E não voltar nunca mais Desculpe a paz que eu lhe roubei E o futuro esperado que eu não dei É impossível levar um barco sem temporais E suportar … Continuar lendo

Publicado em musica, poesia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Olho de Lince – Waly Salomão/Jards Macalé #umpoemapordia

Quem fala que sou esquisito hermético É porque não dou sopa estou sempre elétrico Nada que se aproxima nada me é estranho Fulano sicrano e beltrano Seja pedra seja planta seja bicho seja humano Quando quero saber o que ocorre … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Macalé assombra Gotham City (mais uma vez)

(trailer de JARDS) Poucas coisas emocionam tanto quanto ver um artista que vc admira de longa data ainda ser capaz de surpreender e tirar do eixo a plateia que for. Experimentei essa emoção hoje no Auditório do Ibirapuera, que teve … Continuar lendo

Publicado em musica | Marcado com , , , , , , , , , | 2 Comentários

Devenir, Devir – Waly Salomão #umpoemapordia

Término de leitura de um livro de poemas não pode ser o ponto final. Também não pode ser a pacatez burguesa do ponto seguimento. Meta desejável: alcançar o ponto de ebulição. Morro e transformo-me. Leitor, eu te reproponho a legenda … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário