Arquivo da tag: Vladimir Maiakovski

E então, que quereis? – Vladimir Maiakovski #umpoemapordia

Fiz ranger as folhas de jornal abrindo-lhes as pálpebras piscantes. E logo de cada fronteira distante subiu um cheiro de pólvora perseguindo-me até em casa. Nestes últimos vinte anos nada de novo há no rugir das tempestades. Não estamos alegres, … Continuar lendo

Publicado em poesia, Sem categoria | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Adultos – Vladimir Maiakovski #umpoemapordia

Os adultos fazem negócios. Têm rublos nos bolsos. Quer amor? Pois não! Ei-lo por cem rublos! E eu, sem casa e sem teto, com as mãos metidas nos bolsos rasgados, vagava assombrado. À noite vestis os melhores trajes e ides … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

De V Internacional – Vladimir Maiakovski #umpoemapordia

Eu à poesia só permito uma forma: concisão, precisão das fórmulas matemáticas. Às parlengas poéticas estou acostumado, eu ainda falo versos e não fatos. Porém se eu falo “A” este “a” é uma trombeta-alarma para a Humanidade. Se eu falo … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

A Esperança – Vladimir Maiakovski

Injecta sangue no meu coração, enche-me até o bordo das veias! Mete-me no crânio pensamentos! Não vivi até o fim o meu bocado terrestre, sobre a terra não vivi o meu bocado de amor. Eu era gigante de porte, mas … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , , , | 2 Comentários

A Flauta-Vértebra (prólogo) – Vladimir Maiakovski

Флейта-позвоночник (dedicado a Lila Brik) A todas vocês, que eu amei e que eu amo, ícones guardados num coração-caverna, como quem num banquete ergue a taça e celebra, repleto de versos levanto meu crânio. Penso, mais de uma vez: seria … Continuar lendo

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário