Julga-me a gente toda por perdido – Luís de Camões #umpoemapordia

Julga-me a gente toda por perdido,
Vendo-me tão entregue a meu cuidado,
Andar sempre dos homens apartado
E dos tratos humanos esquecido.

Mas eu, que tenho o mundo conhecido,
E quase que sobre ele ando dobrado,
Tenho por baixo, rústico, enganado
Quem não é com meu mal engrandecido.

Vá revolvendo a terra, o mar e o vento,
Busque riquezas, honras a outra gente,
Vencendo ferro, fogo, frio e calma;

Que eu só em humilde estado me contento
De trazer esculpido eternamente
Vosso fermoso gesto dentro na alma.

Publicado em poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Nem Sequer Sou Poeira – Jorge Luis Borges #umpoemapordia

Não quero ser quem sou. A avara sorte
Quis-me oferecer o século dezassete,
O pó e a rotina de Castela,
As coisas repetidas, a manhã
Que, prometendo o hoje, dá a véspera,
A palestra do padre ou do barbeiro,
A solidão que o tempo vai deixando
E uma vaga sobrinha analfabeta.
Já sou entrado em anos. Uma página
Casual revelou-me vozes novas,
Amadis e Urganda, a perseguir-me.
Vendi as terras e comprei os livros
Que narram por inteiro essas empresas:
O Graal, que recolheu o sangue humano
Que o Filho derramou pra nos salvar,
Maomé e o seu ídolo de ouro,
Os ferros, as ameias, as bandeiras
E as operações e truques de magia.
Cavaleiros cristãos lá percorriam
Os reinos que há na terra, na vingança
Da ultrajada honra ou querendo impor
A justiça no fio de cada espada.
Queira Deus que um enviado restitua
Ao nosso tempo esse exercício nobre.
Os meus sonhos avistam-no. Senti-o
Na minha carne triste e solitária.
Seu nome ainda não sei. Mas eu, Quijano,
Serei o paladino. Serei sonho.
Nesta casa já velha há uma adarga
Antiga e uma folha de Toledo
E uma lança e os livros verdadeiros
Que ao meu braço prometem a vitória.
Ao meu braço? O meu rosto (que não vi)
Não projecta uma cara em nenhum espelho.
Nem sequer sou poeira. Sou um sonho

(publicado em “História da Noite”, tradução de Fernando Pinto do Amaral)

Poema original, em espanhol:

No quiero ser quien soy. La avara suerte
me ha deparado el siglo diecisiete,
el polvo y la rutina de Castilla,
las cosas repetidas, la mañana
que, prometiendo el hoy, nos da la víspera,
la plática del cura y del barbero,
la soledad que va dejando el tiempo
y una vaga sobrina analfabeta.
Soy hombre entrado en años. Una página
casual me reveló no usadas voces
que me buscaban, Amadís y Urganda.
Vendí mis tierras y compré los libros
que historian cabalmente las empresas:
el Grial, que recogió la sangre humana
que el Hijo derramó para salvarnos,
el ídolo de oro de Mahoma,
los hierros, las almenas, las banderas
y las operaciones de la magia.
Cristianos caballeros recorrían
los reinos de la tierra, vindicando
el honor ultrajado o imponiendo
justicia con los filos de la espada.

Quiera Dios que un enviado restituya
a nuestro tiempo ese ejercicio noble.
Mis sueños lo divisan. Lo he sentido
a veces en mi triste carne célibe.
No sé aún su nombre. Yo, Quijano,
seré ese paladín. Seré mi sueño.
En esta vieja casa hay una adarga
antigua y una hoja de Toledo
y una lanza y los libros verdaderos
que a mi brazo prometen la victoria.
¿A mi brazo? Mi cara (que no he visto)
no proyecta una cara en el espejo.

Ni siquiera soy polvo. Soy un sueño
que entreteje en el sueño y la vigilia
mi hermano y padre, el capitán Cervantes,
que militó en los mares de Lepanto
y supo unos latines y algo de árabe…
Para que yo pueda soñar al otro
cuya verde memoria será parte
de los días del hombre, te suplico:
mi Dios, mi soñador, sigue soñándome.

Publicado em poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

A ‘voz do deserto’ grava disco com versões acústicas de clássicos do stoner rock

Se o deserto tem uma voz, é a do John Garcia, com certeza!

The Coyote Who Spoke in TonguesEx-vocalista do Kyuss, Unida, Hermano e Vista Chino (colaboração com o batera e amigo Brant Bjork), Garcia sempre dividiu espaço nessas bandas com o peso das guitarras e baixos em fuzz. Agora coloca sua voz rascante a serviço de versões acústicas de clássicos do stoner rock.

The Coyote Who Spoke in Tongues é o meu novo disco-preferido-de-todos-os-tempos-do-momento!

 

Publicado em musica | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Fernando Morais entrevista Julian Assange

captura-de-tela-2017-01-25-as-09-46-22“Se vc é um fazendeiro, com certeza vai preferir que o lobo não esteja disfarçado de ovelha…” – Julian Assange, em entrevista a Fernando de Morais, sobre a diferença de se ter Trump ou Hillary na presidência dos Estados Unidos. Em ambos os casos, o lobby das grandes corporações corre solto e a fome por controle do mundo é idêntica, diz Assange. A diferença é que Trump terá mais resistência interna e externa, e seu jogo é de certa forma mais transparente. Com Trump ou Hillary, a Exxon e quetais é que dão as cartas.

A entrevista foi ao ar ontem no programa Nocaute da TVE Bahia e já está na íntegra no Youtube. Além de Trump e Hillary, Assange fala sobre NSA, ingerência dos Estados Unidos em golpes e manifestações populares pelo mundo, afinidade de Michel Temer, PSDB e afins com os interesses americanos na América do Sul, exílio e espionagem política-econômica.

Por falar em Donald Trump, o Lawrence Lessig, professor e fundador do Creative Commons, escreveu um artigo bem legal no Medium questionando se o novo presidente americano é um gênio ou uma grande farsa. Acho que um pouco dos dois…

Publicado em geopolítica, imprensa, internacional, internet, politica | Marcado com , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Pesquisa Brasileira de Mídia 2016

Segundo pesquisa do Ibope encomendada pela Secretaria de Comunicação do governo federal – uma das mais completas do mercado -, a TV ainda é o meio mais usado pelos brasileiros para se informar.

A TV brasileira está cada vez mais informal e menos densa em seu conteúdo, apostando mais no entretenimento.

Ligue os pontos.

Webmanario

Feita pelo Ibope por encomenda da Secom do Governo Federal, a Pesquisa Brasileira de Mídia é provavelmente o principal instrumento de aferição dos hábitos de consumo de notícias dos brasileiros. E anualmente as notícias que chegam trazem alguma surpresa.

De acordo com dados do documento mais recente, a TV ainda é o meio mais usado pela população para se informar sobre o Brasil (63% como primeira menção, 89% como segunda), seguida pela internet (26% e 49%). Lá para trás, com 7% (30% em segunda opção), vem o rádio. Os jornais chegam a 3% (12% como segunda alternativa), enquanto as revistas nem sequer mereceram menção preferencial (1% admitem que em segundo lugar recorrem a elas para se informar).

O documento é extenso e merece ser dissecado com calma, mas dados saltam aos olhos, como a informação de que 63% disseram ouvir rádio em aparelhos convencionais (17% o fazem pelo celular – e…

Ver o post original 66 mais palavras

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

In Vino Veritas?

O vinho é um grande perigo, principalmente porque não traz a verdade à tona. Até mesmo o contrário da verdade: revela especialmente nossa história passada e esquecida e não nossa vontade atual; atira caprichosamente à luz as ínfimas ideias com as quais em época mais ou menos recente nos entretivemos e das quais já não lembramos; não faz caso daquilo que esquecemos e lê tudo quanto ainda restou perceptível em nosso coração. E sabemos que não é possível anular nada tão radicalmente, como se faz com uma letra de câmbio malgirada. Toda nossa história é sempre legível, e o vinho grita-a, passando por cima de tudo quanto a vida depois acrescentou a ela.

svevo(Trecho de A Consciência de Zeno, de Ítalo Svevo, escritor italiano nascido em 1861 em Trieste, cidade localizada no extremo nordeste da Itália – à época parte do império austro-húngaro. O livro, publicado em 1923, é considerado um clássico do modernismo italiano e um dos precursores do romance psicológico, inspirado pelas então novas teorias de Sigmund Freud. Svevo foi amigo de James Joyce, que morou em Trieste, e serviu de modelo para Leopold Bloom, protagonista de Ulysses de Joyce, livro publicado em 1922.)

Publicado em livros | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

#umpoemapordia Ana Cristina Cesar

Tenho uma folha branca
e limpa à minha espera:
mudo convite

tenho uma cama branca
e limpa à minha espera:
mudo convite

tenho uma vida branca
e limpa à minha espera.

(Ana Cristina Cesar)

Publicado em poesia | Deixe um comentário