Abismo – Emil de Castro #umpoemapordia

Quando a noite mergulhar-me as garras no peito
meu corpo se queimará em cintilações
e eu serei eterno
no mundo.

Quando a noite mergulhar sua lâmina no meu corpo
os luares que amei partirão todos os espelhos
onde a minha imagem se debruçou
para morrer.

Ah se a noite penetrar-me o corpo de fatalidade
encontrarei meus mapas de ilhas naufragadas
e serei meu próprio capitão
nessa batalha urgente.

Mais nada.
Sou apenas pedra e cal
moradia de segredos
e água sentida na fonte não bebida.

Poema de Emil de Castro, publicado livro Habitação em campo urgente, de 1973. Emil nasceu em Mangaratiba (RJ) em 1941, é escritor, poeta, advogado e historiador. Publicou poemas e contos em diversos jornais e revistas literários do Rio de Janeiro. Foi prefeito de Mangaratiba. Fundou e dirigiu o jornal Poesia Etc.

Anúncios
Esse post foi publicado em poesia e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s