Narrativa – Paul Auster #umpoemapordia

Porque o que acontece jamais acontecerá,
e porque o que aconteceu
infinitamente acontece de novo,

Somos como fomos, tudo
mudou em nós, se falamos
do mundo
é somente por deixar o mundo

por falar. Princípio de inverno: as maçãs amarelas ainda
por cair
numa árvore desnuda, os rastros
de invisíveis cervos

na primeira neve, e então a neve
que não cessa. De nada
nos arrependemos. Como se pudéssemos ficar
nessa luz. Como se pudéssemos ficar no silêncio
deste único momento

de luz.

Anúncios
Esse post foi publicado em poesia e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s