Habemus náusea

Jpeg

Bem-vindos à nausea online, azeda como um prato de arroz vencido que como por entre fileiras de formigas ativas e baratas à espreita.

Que caiam restos de meu banquete para celebrarmos, nas frestas de um castelo em ruínas, a derrota dos renegados.

Pois também vou festejar, pequeninas companheiras insones.

Em zigue-zague altivo, o mendigo ultrajante lhes oferece o grão.

O labirinto é sua casa! Ocupem!

Fanfarras às alturas!

Em meu pulmão respiro a fumaça toxica de mais um consolo indigente. Alimento dos desesperados.

Que venha a avalanche!

Deixemos as pedras rolarem por todo canto.

Somos ínfimos e inatingíveis para tudo que pesa e destroça.

Se colocam a lâmina enferrujada em nosso peito, com o dedo nos lábios peçamos silêncio e empurremos o punhal ao fundo, para que encontre a sólida rocha que bombeia sangue arenoso.

Pragas que somos, sobreviveremos a mais uma noite.

Somos nela invisíveis.

Zumbizemos até a aurora.

E mastiguemos as pedras pela eternidade na fria correnteza que nos levará além.

8334422068_1face18b61_c
(foto: O Escriba)

Anúncios
Esse post foi publicado em fotografia, poesia e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s