Faleceu Ferreira Gullar

Foi-se um grande poeta. Na morte de Clarice Lispector, Gullar escreveu:

“as pedras e as nuvens e as árvores
no vento
mostravam alegremente
que não dependem de nós.”

Verdade. Mas a gente depende, poeta. Precisamos de mais poesia, hoje e sempre!
Descanse em paz.

#umpoemapordia

Falando em Literatura...

Hoje, 04/12/2014, surpreendeu- nos a notícia do falecimento de um dos grandes poetas do Brasil, Ferreira Gullar, aos 86 anos. Deu no Globo, que ele havia sido internado ontem em um hospital do Rio de Janeiro devido a problemas pulmonares. Prêmio Camões em 2010 e imortal da Academia Brasileira de Letras (2014).

O próprio poeta lendo a sua obra- prima, “Poema sujo”:

turvo turvo
a turva
mão do sopro
contra o muro
escuro
menos menos
menos que escuro
menos que mole e duro menos que fosso e muro: menos que furo
escuro
mais que escuro:
claro
como água? como pluma? claro mais que claro claro: coisa alguma
e tudo
(ou quase)
um bicho que o universo fabrica e vem sonhando desde as entranhas
azul
era o gato
azul
era o galo
azul
o cavalo
azul
teu cu
tua gengiva igual a tua bocetinha que parecia sorrir entre as folhas de
banana entre os…

Ver o post original 1.435 mais palavras

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s