Górki Facts


(Trecho do filme A Mãe, baseado no livro de Górki)

Quando Máximo Górki apareceu, foi saudado como o escritor que faltava à Rússia. Até então a literatura do país dos czares era dominada por escritores de famílias abastadas, alguns nobres, mas nenhum do povão. Gente como Pushkin, Gógol e Tolstói tinha legítimas preocupações sociais, mas não vivera na carne as agruras dos miseráveis, não como Górki. Órfão de pai e mãe, criado pelo avô, trabalhava desde criança para comer e pré-adolescente ainda ganhou o mundo, perambulando de cidade em cidade em busca de trabalho, sempre acompanhado de malandros, ciganos, prostitutas, assaltantes, bêbados, vagabundos. Aprendeu a ler pré-adolescente graças aos livros que lhe emprestava um cozinheiro. Quando a nata literária de Moscou começou a tomar ciência de seus livros, publicados na raça, Górki recebeu um conselho: “Escreve sobre o que conhece, o que viveu”. E ele o fez, como poucos haviam feito antes. Ao adotar Górki (‘amargo’ em russo), o novo escritor deu a senha do que se tratavam seus livros. Transportou a realidade nua e crua para páginas e páginas de peças e romances – sem filtros, sem lapidação. Os feios, sujos e malvados, e suas ofensas e grosseiras, são revelados sem muito pudor.

Sua literatura não é das mais rebuscadas e hoje não figura entre os nomes mais badalados, mas à época causou furor. Chamou a atenção, por exemplo de Anton Tchecov, com quem trocou extensa correspondência e cujos conselhos usou para aprimorar seus textos. Foi alçado ao olimpo literário na Rússia pós-revolução. É tido como pai do realismo socialista. Apesar de ter caído nas graças do regime soviético, ainda assim incomodava por manter críticas aos bolqueviques.

Na aula do meu curso de literatura russa lemos vários contos dele: Vinte e Seis e Uma, Assassinos, Fôlego Perdido, A Mamãe Kemski, À Guisa de Posfácio, Quadro de Costumes, Um Guia – aqui tem alguns livros dele online, em inglês.

Segue abaixo o que tuitei sobre a aula, na semana retrasada. A aula seguinte à Górki foi sobre Mikhail Bulgákov, de quem lemos O Mestre e Margarida (aqui uma boa resenha sobre o livro), já também devidamente tuitada. Espero amanhã fazer o post sobre Bulgákov e o livro – que comprei na Cultura e já estou terminando!

* Maximo Gorki nasceu em 1868 em Novgorod, morreu em 1936 em Moscou

* nome verdadeiro era Aleksei Maksimovich Peshkov. Adotou pseudonimo para fugir da perseguicao da policia do Czar Nicolau II

* órfao de pai e mae, foi criado pelo avo materno. Familia pobre, trabalhava desde os 5 anos

* fugiu de casa e passou a perambular de cidade em cidade, procurando trabalho

* foi estivador, pescador no mar Caspio, vendedor de frutas, vigia de teatro

* trabalhando como ajudante d cozinha, começou a ler graças aos livros q o cozinheiro lhe emprestava

* aos 15 anos publicou seus primeiros romances

* aos 19 anos, desesperado c/ situacao precaria, tenta o suicidio. Sobrevive mas passa o resto da vida c tuberculose

* aos 22 anos, Gorki é preso por atividades subversivas

* ao ser libertado, volta a perambular na companhia de indigentes em busca de trabalho

* primeiro emprego fixo e + rentavel foi de jornalista. Escreve 1a peça em 1901, Pequenos Burgueses, q faz grande sucesso

* Gorki sempre esteve metido em atividades revolucionarias. Foi amigo d Lenin, Tchecov, Tolstoi e Stalin

* Tchecov foi d seus mentores literarios. Dava dicas d como escrever melhor e sugeria cortes em textos seus

* trocava correspondencia com Tchecov e frequentava a casa de Tolstoi

* Korolenko, outro mentor d Gorki, deu a senha: ‘escreve sobre o que voce conhece’. No caso, o submundo, a miseria

* Gorki foi saudado como o escritor q faltava à Russia, da classe mais baixa, dos sujos, feios e malvados

* moeda d troca: Gorki da acesso aos intelectuais ao submundo e estes lhe abrem as portas da academia

* foi o escritor da transicao da Russia pré e pos revolucionaria, tido como o pai do realismo socialista

* ainda assim, incomodava o status quo sovietico, por questionar modus operandi dos bolcheviques

* txts de Gorki sao simples, diretos, sem afetacao ou rebuscamento, nao filtrava realidade

* seus txts nao tem a metafisica d Dostoievski ou a religiosidade d Tolstoi, mas o materialismo d Marx

* Gorki quer dizer ‘amargo’ em russo. Ofensas e grosserias aparecem em seus txts como nunca antes na literatura russa

* em Folego Perdido critica atitudes do novo regime sovietico, denunciando prisoes e torturas d adversarios politicos

* 2 anos dps de sua morte, Trotski acusa Stalin de ter mandado envenena-lo. Gorki morreu em 36, d pneumonia

* foi casado 3 vezes, foi exilado da Russia czarista – primeiro nos Eua, dps em Capri, na Italia

Anúncios
Esse post foi publicado em livros. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Górki Facts

  1. Nessa disse:

    Gostei do post, o autor me interessou. gosto dessas leituras “sujas”.

    Até!

  2. Laura_Diz disse:

    eu tinha um livrinho de bolso de contos dele- era meu livro de cabeceira- ainda existe:) está velhinho.
    bj, Laura

  3. Laura_Diz disse:

    eu tinha um livrinho de bolso de contos dele- era meu livro de cabeceira- ainda existe:) está velhinho.
    bj, Laura

  4. Que bacana!
    Eu não conhecia esse autor. Só os mais famosos como Dostoiévski e Tolstoi.
    Mas a escrita de fatos urbanos me atrai.
    Algo como um On The Road russo!
    =]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s