Estamos doentes e a culpa não é da gripe suína

Toda vez que um especialista é chamado a falar sobre gripe suína na TV, rádio ou jornal, fico na vã expectativa dele tocar no X da questão. Alguns especialistas até chegam a dar a senha do real problema que temos, lembrando que o crescimento da população mundial impõe uma produção massiva de alimentos, cada vez mais industrial, mas evitam criticar diretamente.

Tô pagando pra ver quem será o primeiro a dar o nome aos bois: a gripe é do modelo industrial de produção de alimentos, não dos porcos.

Enquanto isso, gripes suína e assemelhadas (aviária, por exemplo) continuarão a surgir, umas mais fortes outras mais fracas (como a atual), por conta dessa excessiva aglomeração de animais em espaços diminutos, todos alimentados com rações carregadas de agrotóxicos (e transgênicos) e tratados indiscriminadamente com antibióticos – ver aqui e aqui. Ferem o sândalo e ainda querem sair perfumados…

Pense nisso cada vez que for ao supermercado comprar alimento industrializado ou mesmo carne (bovina, suína ou de frango). Podem ser produtos mais baratos do que outros fabricados de forma ética, como os orgânicos, mas é o clássico caso do barato que sai caro. Enquanto nós, consumidores, não dermos mostras à indústria de que não queremos mais produtos fabricados às custas da saúde do planeta e nossa, nada mudará. E não é tão difícil fazer isso: consumir menos carne, dar preferência aos produtos que não usam agrotóxicos nem são fruto de práticas anti-éticas, ter uma alimentação mais equilibrada, se informar.

Tem gente no entanto que prefere pateticamente circular por aí de máscara e por a culpa nas autoridades. Paralisados em suas zonas de conforto, posando de vítimas, se deixando aterrorizar pelas manchetes, aguardando o próximo surto de gripe.

EM TEMPO: Para acabar com essa paranóia estúpida em relação à gripe suína, sugiro a leitura deste artigo do New York Times. Basicamente, diz: o vírus não é mais ‘mortal’ que a gripe comum e lavar as mãos regularmente é um procedimento pra lá de bem-vindo. O resto é cultura do medo.

Depois relaxa com o Sneeze.

Anúncios
Esse post foi publicado em Meio Ambiente. Bookmark o link permanente.

8 respostas para Estamos doentes e a culpa não é da gripe suína

  1. Sair do conforto e acordar para o que está acontecendo não é fácil. Aliás, dá medo…pois mexe com toda a nossa cultura e tradição. O difícil é dar o passo inicial.

    Consumir menos carne, dar preferência para produtos orgânicos e comer de forma mais saudável são ações indispensáveis de quem se preocupa com o ambiente e com sua saúde. São atitudes saudáveis que deveriam ser seguidas por todos.
    Se você acha que produto orgânico é caro, procure comprar em feiras, direto do produtor. Se acha que não consegue viver sem carne e refrigerante,comece evitando comer 1 dia por semana.

    O início de um novo hábito não é fácil, mas com o tempo torna-se prazeroso e depois você começa a pensar porque não fez isso antes.

  2. disse:

    Até q enfim alguem falando alguma coisa sensata.

  3. André HP disse:

    Não sou, radicalmente, veganista. Mas acho que o homem deveria caçar o animal que deseja comer. Toda essa industrialização só fodeu com a natureza.
    Abraço!

  4. Daniel Tonett disse:

    Seria a gripe suína uma simples reação da lei do karma?

  5. gabriel disse:

    O Mauro Santayana (JB, 01/05) foi direto ao ponto: “O governo do México e a agroindústria procuram desmentir o óbvio: a gripe que assusta o mundo se iniciou em La Glória, distrito de Perote, a 10 quilômetros da criação de porcos das Granjas Carroll, subsidiária de poderosa multinacional do ramo, a Smithfield Foods.” E continua em http://www.jblog.com.br/politica.php?itemid=12578#nucleus_cf

  6. Criança e Consumo. | Groselha News disse:

    Criança e Consumo. | Groselha News

    […] Já faz tempo que a queridona Lu Freitas falou sobre o documentário “Criança, a alma do negócio” . Consumir é algo que faz parte de nossas vidas. A não ser que você esteja vivendo dentro de uma caverna, todos os dias queremos possuir algo a mais, por causa da publicidade, por causa da sociedade de consumo, ou porque é impossível resistir as últimas novidades. Se você é um adulto pode implementar regras para consumir menos, para controlar atos impulsivos de compra, mas e se você é uma criança? E se você é pai ou mãe, tem um filho que vê muita televisão e é exposto a muito mais propagandas que você? Quais os hábitos de consumo que deveríamos estimular se vivemos num mundo que cada dia se degrada mais por causa do consumo? Você olha para a gripe suína e vê o quê? Porquinhos espirrando? Ou o resultado do modelo industrial da produção de alimentos? […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s