Trilhas e sons

Hoje fui caminhando do hotel até a Estação das Docas, onde está o barco do Greenpeace. 1h20 em ritmo tranqüilo, mas firme. Parei duas vezes apenas, para tirar dinheiro e tomar um suco. E também para pedir informação para uns policiais, quando me confundi com uma das ruas. Perguntei como chegar e o cara mandou: “Ah, vai por esta rua… não, melhor não, por ali é perigoso, vai por aqui mesmo, seguindo reto e tal…” E imediatamente pensei: “Pô, se por ali é mais perigoso, o que ele está fazendo aqui?!?”

Mas cheguei na boa. Suei todo meu desapontamento e me senti aliviado. Andar deixa a gente mais centrado nas coisas, as idéias se organizam, vc tem tempo para contemplar, para refletir. A trilha sonora que escolhi trazer no meu N95 também ajudou: jazz funk, Bad Company, Sonics e JJ Cale, entre outros. Uma das músicas do JJ Cale que selecionei é uma versão belíssima de Golden Ring, do Eric Clapton. Confira abaixo:

E hoje tive meu primeiro contato com o Fórum Social Mundial, já que fui ao campus da UFPA para levar o Márcio Astrini, da campanha da Amazônia do Greenpeace, para dar uma entrevista ao vivo na Rádio Cultura, que montou um estúdio in loco. Depois, fui fazer credenciamento de imprensa. Gostei do que vi, o campus é arrumadinho, limpo e à beira do rio. Vai ser uma festa e tanto. Amanhã tem mais caminhada pra mim, pois rola a tarde a marcha que abre oficialmente o FSM e, no final, um prometido show do Manu Chao. Se der, posto algumas fotos aqui.

Anúncios
Esse post foi publicado em Meio Ambiente. Bookmark o link permanente.

13 respostas para Trilhas e sons

  1. Otavio disse:

    fala jorge,
    Belém é uma cidade instigante, né não?
    Imagino com esse movimento todo do Fórum. Me deram alerta parecido quando passei do Ver o Peso e continuei seguindo a orla pra uma parte antiga da cidade, cheia de armazens, não deviam estar errados mas acabamos parando num bar na beira rio, com um reggae solto, uma moçada numa sinuquinha, maior astral. Bacana, manda ver aí. absss

  2. Vera disse:

    Curta e guarde tudo o que esta vendo ajudando, fazendo, observando. isso é bagagem e essa ninguem tira da gente….. bjs

  3. Olá…!
    Me perguntou quais ideias do GP que me incomodam?
    Pois bem, não concordo muito com a banalização imposta pelos trangênicos, sou de uma área da pesquisa (pelo menos era até ser acadêmica) e creio muito na pesquisa brasileira e até mesmo mundial, sei que há algumas que merecem respaudo “negativo” mas a questão dos transgênicos não.. creio que deve haver mais pesquisa em relação a esta ideia, o chato mesmo é o monopólio (da MONSANTO por exemplo) …

    Mas a proibição.. acho radical de mais ..
    Caso tenha algum material que me mostre o contrário disto, eu agradeço, tenho a mente bem aberta para novas ideologias!
    Agora teem umas ações do GP que me enchem os olhos, como o uso de pele animal dentre outros….
    Contato: daianeea@gmail.com
    Daiane Santana – VIVOVERDE

  4. lili disse:

    A trilha sonora da caminhada é Fantástica!!!
    Ameiiiii!!!
    Bem como o comentário sobre o policial …se não fosse triste, seria engraçado!!
    “Andar deixa a gente mais centrado nas coisas, as idéias se organizam, vc tem tempo para contemplar, para refletir…”

    Concordo plenamente!!
    Imagino a “bagagem” que vc vai trazer…se puder, além do seu texto que já retrata bem…tire algumas fotos dos rostos, dos lugares, do movimento…quero ver muitas fotos..ou então da próxima, pode me chamar..rsrsrsrs
    bjs e ótima viagem

  5. Diobral disse:

    Caro Escriba,
    estou procurando um trabalho de jornalismo. Tem campo vago na equipe?
    Estou em Vitória desenvolvendo um projeto de viveiro de essências de nativas. Os trabalham andam. Conto com pessoas que tem um conhecimento tácito da mata atlântica.
    Hoje alugo minha pena como redator. Vivo entre paredes brancas, com ar condicionado esfriando a cabeça e briefings.
    Estamos aí neste país que queima seu trabalhador como carvão nas siderúrgicas.

    Felicidades
    Diobral

  6. Daiane,
    recomendo que você assista o Mundo segundo monsanto, disponível no link:http://transgenicosnao.blogspot.com/2008/08/novo-link-para-o-documentrio-o-mundo.html ou http://www.dailymotion.com/swf/k5OMWtEbuFd7zDuSS8
    além de ser sobre a monsanto, detentora de 90% dos transgênicos no mundo, também fala sobre transgênicos, os estudos que mostraram que eles não fazem bem e o que aconteceu com esses cientistas.

  7. escriba disse:

    Daiane, evidências cientificas existem aos borbotões de que os transgenicos nao sao essa panacéia para os problemas da agricultura. Aliás, as proprias empresas que os fabricam já admitem que eles foram feitos, em ultima instância, para incrementar as vendas dos agrotoxicos fabricados advinha por quem? Sim, essas mesmas empresas!!
    Os transgenicos nao melhoram a qualidade da comida, nao aumentam a produtividade, nao reduzem o uso de agrotoxicos, nao protegem o meio ambiente, nao resolve o problema da fome no mundo (como é alardeado pelas monsantos da vida)… Se um dia, quiçá, consigam resolver esses problemas todos, aí sim eles terão seu lugar na agricultura. Por enquanto, lugar de transgenico é no laboratorio.

    E realmente vc deveria ver esse documentário da Marie-Monique Robin sobre a Monsanto. Duvido que não mude de opinião…

  8. escriba disse:

    Otavio, tenho curtido Belém, é uma cidade bem interessante. TEnho andado bastante por ela, de dia e de noite, e nao vejo muita diferença do que vejo no Rio por exemplo. Na verdade, me sinto mais seguro por aqui…
    abração!

  9. escriba disse:

    Vera, toda viagem é um carimbinho que a gente marca a alma e carrega pra todo sempre. Lembro de detalhes de viagens que fiz há 20 anos ou mais!! Mas pra isso é preciso estar aberto a novas experiencias, é ser tolerante, é nao ver as coisas com olhar de um ser superior, como muitos fazem. Enfim, é viver a cidade, andar por suas ruas, conversar com as pessoas de igual pra igual, passar os mesmos perrengues as vezes… Sei que é as vezes a gente mantem uma distancia segura de certas coisas que nos incomodam, mas depois de dois ou tres dias, é facil se desvencilhar dessa barreira e entrar no clima. Belém é o maximo!

    bjs!!!

  10. escriba disse:

    Lili, com certeza vou fazer muita foto! Mesmo sendo de celular, até que estou conseguindo manter um certo nivel, nao acha? Tempos atras eu teria trazido minha velha Nikon F3 de guerra, mas nao dava mesmo, ando pra cima e pra baixo com um laptop a tira-colo, e nao teria tempo pra usa-la. Pena. Ainda gosto da duvida de ter feito ou nao a foto certa – nada de telinha pra ver na hora se ficou bom…
    beijos lilinda!

  11. Carlos disse:

    Com Bad Company qualquer caminhada fica boa. Em Belém então… Visitei essa cidade em 2005 e adorei. Lembranças do seu amigo de Tribuna da Imprensa. Carlos.

  12. Trilhas e sons : meioambiente disse:

    Trilhas e sons : meioambiente

    […] Leia mais deste post no blog de origem: Clique aqui e prestigie o autor […]

  13. Trilhas e sons : musica disse:

    Trilhas e sons : musica

    […] Leia mais deste post no blog de origem: Clique aqui e prestigie o autor […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s